IMG_20180912_104017715

 

 

IMG_20180912_104153270

 

 

 

 

 

IMG_20180912_104254661

 

IMG_20180912_104423588

IMG_20180912_104536166

IMG_20180912_104806215

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Olá.
Acesse as respostas dos exercícios das páginas 123, 126 e 128 no arquivo abaixo.

Humanismo

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Gabarito Prova Final II Unidade

01 C
02 B
03 E

05 D
06 A

08 E
09 E
10 A
11  A
12 C
13 E
14 C
15 D, mas também considerei a C.
16 B

18 A
19 B
20 B

04 Questão Aberta

No referido fragmento de O Santo e a Porca, existem duas rubricas. A primeira inicia-se com “Empurra os quatro” e a segunda com “Abre as portas”

07 Questão Aberta

A conquista espiritual, preocupação da nobreza portuguesa, é refletida  nos trechos “[…] Não duvido que eles (os nativos), segundo a santa intenção de Vossa Alteza, se hão de fazer cristãos e crer em nossa santa fé.” e também em “Vossa Alteza que tanto deseja acrescetar a santa fé católica, deve cuidar da sua salvação […]”

17 Questão Aberta

O Patriarcalismo tem como definição ideológica a supremacia do homem nas relações sociais. Nas cantigas de amigo trovadorescas, o eu lírico feminino sofre pelo distanciamento que essa supremacia causa. É sempre o homem que se vê em viagens, a trabalho, servindo aos propósitos bélicos etc.

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Olá pessoal. Gostaria de ver no caderno de vocês a seguinte proposta:

Leitura e resumo do texto do tópico 03 (página 88 e 89) do livro didático de Literatura.

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Página 66.

01. Gênero dramático. No fragmento, há algumas características que foram discutidas em sala: “atores, num espaço especial, apresentam, por meio de palavras e gestos, um acontecimento; retrata fundamentalmente, os conflitos das relações humanas; há o ocultamento do eu (ou seja, não temos voz do narrador que introduz as falas, temos apenas as falas.)

02. a) Quatro: Mathias, o Frei, o Oficial  e Bárbara.
b) É a voz do Rei de Portugal (ou do Estado Português), já que o oficial apenas lê a sentença contra Calabar.
c) Temos dois discursos: O da Igreja e o do Rei.

03. a) Mathias e Bárbara.
b) Mathias apresenta-se dividido entre servir ao seu país (Brasil) e servir a Portugal ou, como ele mesmo diz, “colocar o amor à terra em que nasci acima dos interesses do rei”.
A contradição vivenciada por Mathias deve ser a mesma vivencada antes por Calabar.
c) Calabar era “um homem, brasileiro como eu [Mathias], que se atreve a pensar e agir por conta própria”.
d) “O que é bom para Portugal é bom para o Brasil”.
e) O sentimento de perda, a dor da separação (afinal o seu amante será executado). Ela tenta a superação impregnando-se no corpo do amante, feito tatuagem.

04. “À sua sorte” significa “ao acaso, aleatoriamente, sem rumo definido”; “sorte sua” significa “a sua felicidade, a sua fortuna, estar no rumo certo”.

05. Gênero Lírico, ou seja, trata-se de uma passagem lírica, escrita em versos, como parte de um texto dramático. A função poética se manifesta de forma mais evidente na seleção e combinação das palavras, o que resulta num ritmo diferente se comparado às demais falas do fragmento.

06. a) A forma verbal quero e a forma pronominal me.
b) Os substantivos escrava bailarina; os adjetivos frouxa, murcha, farta, morta. Pela concordância, concluímos que o eu poético é feminino.
c) As formas verbais de segunda pessoa (gostas, sentes) e os pronomes (teu, tua, te , você)
d) 
Há uma entrega total e absoluta do eu poético (ou seja, da mulher, Bárbara, ao seu amante, Calabar.)

Página 68.

01) Certo.

02) 01 + 02 + 04 = 07

03) a) Embora aparentemente o patrão se mostre compreensivo e fraternal, no fundo há, em sua fala, uma severa advertência ao empregado. A advertência seria desnecessária se forem considerados os quarenta anos de dedicação e um erro cometido.
b) Millôr Fernandes faz uma crítica ao comportamento do capitalista, o que nos remete ao título: o patrão é típico representante do capitalismo mais reacionário, primitivo e atrasado.

04) a) O diálogo está centrado em um conflito, temos a representação de uma situação que pode desencadear desgraça: para o leitor sensível, a cena pode infundir o terror e a piedade.
b) Conotativamente, a expressão “meu filho” deve ser entendida como maifestação da postura aparentemente paternalista que o patrão assume.

 

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Olá pessoal. Segue o link para leitura de A carta de Caminha a seguir:

http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/carta.pdf

Para quem quiser ouvir trechos da carta, o acesso é pelo seguinte link:

A atividade proposta é a seguinte:

Após a leitura, em sala, dos textos do livro didático e, após ler a Carta de Caminha, no caderno, você irá trazer as respostas para as seguintes respostas:

01) Qual a função exercida pelo autor da Carta?

02) Quem é o destinatário da Carta?

03) Quais particularidades do nativo brasileiro são relatadas na Carta?

04) Quais particularidades da vegetação brasileira são relatadas na Carta?

05) A linguagem utilizada pelo autor tem características poéticas ou unicamente descritivas? Justifique.

06) Qual a importância desse documento para a História e para a Literatura Brasileira?

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

01 A
02 B
03 E
04 C
05 D
06 C
07 D
08 E
09 C
10 B
11 C
12 A
13 E
14 E

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Para os românticos, o mundo não é uma equação exata, sem margens de erro. A realidade é muito mais rica, oferecendo ao homem várias possibilidades que podem ser exploradas. Assim, múltiplos pontos de vista sobre o real podem coexistir, variando conforme a percepção de cada um. Neste sentido, o Romantismo foi revolucionário ao romper com as cadeias da educação tradicional, baseada somente no domínio da Razão, e o sujeito podia enfim elaborar sua própria interpretação do mundo exterior, o que apontava para os limites da visão racionalista.

  • Qual o trecho do parágrafo acima que nos remete ao conceito de polissemia?

“Múltiplos pontos de vista sobre o real podem coexistir, variando conforme a percepção de cada um”

 

  • Qual o trecho do parágrafo acima que nos remete ao conceito de subjetividade?

o sujeito podia enfim elaborar sua própria interpretação do mundo exterior, o que apontava para os limites da visão racionalista.

 

  • Todo processo comunicativo constitui-se do elemento básico que é a linguagem, a qual representa o sistema de sinais convencionais que nos permite realizar tal procedimento. O que é um signo linguístico e de quais partes ele é composto?

o signo linguístico é concebido como um elemento representativo, constituindo-se de dois aspectos básicos: o significante e o significado, os quais formam um todo indissolúvel.

 

Utilizando os signos linguísticos, os autores literários criam, a partir de sua subjetividade, uma linguagem particular, complexa e simbólica. Qual o procedimento literário que permite que ideias e associações extrapolem o significado original da palavra, assumindo assim um sentido simbólico? Dê ao menos dois exemplos de uso deste procedimento.

A linguagem sendo expressiva, representativa e simbólica, em função poética,  os signos transmitem mais de um significado. A conotação tem como finalidade provocar sentimentos no receptor da mensagem, através da expressividade e afetividade que transmite.

 

  1. Minha vida é um mar de solidão.
  2. Minhas lágrimas eram pedras pesadas sobre a face.

 

  • O artista não possui compromisso apenas com o objeto linguístico. A literatura tem um forte apelo estético, e por esse motivo quem escreve utilizando o discurso literário pode afastar-se dos padrões convencionais da língua. O que vem a ser estética e o que ela tem a ver com liberdade na criação?

 

Como o Romantismo trouxe o ideal de subjetividade à tona, o autor pôde começar a inventar novas maneiras de expressão.

Foi, portanto, preciso criar disciplinas que dessem conta de estudar e refletir sobre o que é beleza na arte

 

Texto 01

 

Re: Provérbio

 

quem nunca comeu farelos

aos porcos se misturando

que atire a primeira

pérola

 

Re: Provérbio de Ricardo Aleixo in Modelos Vivos. Crisálida, 2010.

 

Texto 02

 

O aluno

São meus todos os versos já cantados:
A flor, a rua, as músicas da infância,
O líquido momento e os azulados
Horizontes perdidos na distância.

Intacto me revejo nos mil lados
De um só poema. Nas lâminas da estância,
Circulam as memórias e a substância
De palavras, de gestos isolados.

São meus também os líricos sapatos
De Rimbaud, e no fundo dos meus atos
Canta a doçura triste de Bandeira.

Drummond me empresta sempre o seu bigode.
Com Neruda, meu pobre verso explode
E as borboletas dançam na algibeira.

 

O Aluno, de José Paulo Paes in Poesia Completa. Companhia das Letras, 2008

 

  • Ao ler os poemas acima (texto 01 e texto 02) podemos perceber um trabalho de intertextualidade. Responda qual (quais) poema(s) deixam essa intertextualidade explícita e faça o detalhamento sobre quais dentre as três formas de intertextualidade aparece (em) no(s) texto(s).

(no caderno)

 

Em algum dos dois textos houve processo de metalinguagem? Justifique detalhadamente com pelo menos três argumentos.

Houve metalinguagem no poema “Aluno” (texto 02). Observamos que o poema nos fala de um poeta (“São meus todos os versos”) que se coloca na posição de aluno (título do poema), aprendiz de grandes mestres (poetas citados). Como a metalinguagem literária é o processo onde a obra literária expõe elementos da própria literatura, ao falar de poetas, poemas e versos, temos metalinguagem.

 

 

 

 

Texto 03

 

O apanhador de desperdícios

Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato
de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.
Memórias Inventadas – As Infâncias de Manoel de
Barros. Editora Planeta, 2008,

Ao ler o poema do Mato-Grossense Manoel de Barros, percebemos que a linguagem da poesia não é denotativa, pois não se relaciona, respectivamente, com o sentido literal das palavras e com a representação do mundo com foco no próprio mundo, mas, sim, na visão que o autor tem em relação a ele.

Quais os dois trechos do poema (texto 03) que remete à diferenciação entre a poesia e textos não literários de caráter objetivo e funcional?

(em negrito no próprio poema)

 

Ainda sobre o texto 03, como poderíamos relacionar o poema a uma característica metalinguística?

o trecho ”eu uso a palavra para compor meus silêncios” é algo que está no campo simbólico, pois as palavras serviriam aqui para a composição de algo poético e belo. Se relacionarmos este procedimento ao trabalho do poeta, que tem as palavras como ferramenta de produção, estaremos diante de uma metalinguaguem.

 

Em outro poema, o escritor Manoel de Barros cita:

 

“Para entender nós temos dois caminhos:

o da sensibilidade que é o entendimento do corpo;

e o da inteligência que é o entendimento do espírito.

Eu escrevo com o corpo.

Poesia não é para compreender, mas para incorporar.

Entender é parede; procure ser árvore.”

 

Qual o estilo literário que teve início nos movimentos de vanguarda modernistas tem relação com essa citação do poeta Manoel de Barros? Justifique.

O Surrealismo procurava mostrar a importância do inconsciente na criatividade do ser humano. Expressava a ausência da racionalidade humana e as manifestações do nosso subconsciente. Os surrealistas desejavam alcançar a total liberdade de expressão, onde o homem se libertaria de toda a repressão exercida pela razão. Dessa forma ele poderia explorar seu inconsciente e produzir arte para ser sentida, mobilizada pela da sinestesia e não pelo entendimento do intelecto.

 

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

Questões sobre Manoel de Barros (documentário, poemas, vídeo)

01) Podemos perceber pelo documentário que a poesia de Manoel de Barros se difere da “poesia grandiosa” brasileira, como dito pelo crítico,em uma das entrevistas. Por que a poesia manoelina ocupa esse lugar?

02) Na primeira parte do vídeo, vimos um velho amigo do poeta. Qual a relação que podemos estabelecer entre os dois? No que essa relação contribuiu para a maneira de Manoel escrever?

03) Por diversas vezes vimos o poeta e críticos constatando que a poesia não tem utilidade, é um “instrumento de ser inútil”. Como podemos relacionar essa constatação com a época moderna e contemporânea da poesia?

04) Há uma intertextualidade entre a poesia de Manoel de Barros e outra linguagem artística. Qual é ela? Como aparece no documentário?

05) O poeta diz que só teve na vida infâncias. Qual a importância do olhar da infância para a poesia do poeta Manoel ?

06) Quais os versos que mais lhe chamaram a atenção? Por que?

07) Faça uma relação entre o vídeo de Charles Chaplin, os poemas de Manoel e o documentário.

08) Comente a metalinguagem no poema n.03.

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário

POEMA 01

Manoel de Barros – “Anti-salmo por um desherói”

 
a boca na pedra o levara a cacto
a praça o relvava de passarinhos cantando
ele tinha o dom da árvore
ele assumia o peixe em sua solidão

seu amor o levara a pedra
estava estropiado de árvore e sol
estropiado até a pedra
até o canto
estropiado no seu melhor azul
procurava-se na palavra rebotalho
por cima do lábio era só lenda
comia o ínfimo com farinha
o chão viçava no olho
cada pássaro governava sua árvore

Deus ordenara nele a borra
o rosto e os livros com erva
andorinhas enferrujadas

 

POEMA 02

Poema XIII de o Livro sobre Nada 

Venho de nobres que empobreceram.
Restou-me por fortuna a soberbia
Com esta doença de grandezas:
Hei de monumentar os insetos!
(Cristo monumentou a Humildade quando beijou os pés dos seus discípulos)
São Francisco monumentou as aves
Vieira, os peixes
Shakespeare, o Amor. A Dúvida, os tolos.
Charles Chaplin monumentou os vagabundos.
Com esta mania de grandeza:
Hei de monumentar as pobres coisas do chão mijadas de orvalho.

POEMA 03

Poema VII de O Livro das Ignorãnças

No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo,
lá onde a criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta,
que é a voz de fazer nascimentos – O verbo tem que pegar delírio.

 

Poema 04

Aprendo com abelhas

Aprendo com abelhas do que com aeroplanos.
É um olhar para baixo que eu nasci tendo.
É um olhar para o ser menor, para o
insignificante que eu me criei tendo.
O ser que na sociedade é chutado como uma
barata – cresce de importância para o meu olho.
Ainda não aprendi por que herdei esse olhar
para baixo.
Sempre imagino que venha de ancestralidades
machucadas.
Fui criado no mato e aprendi a gostar das
coisinhas do chão –
Antes que das coisas celestiais.
Pessoas pertencidas de abandono me comovem:
tanto quanto as soberbas coisas ínfimas.

Publicado em Ian Lima - Literarura em | Deixar um comentário