Muher do manguezal

  • Linver Nazareno dedica esta “décima” às mulheres que habitam o manguezal, em uma homenagem ao trabalho que enfrenta, todos os dias.

Mulher do manguezal
Linver Nazareno

Lenha e mangue são teu carvão
A concha vai te esperar
O remo é o teu timão
Teu grande amigo é o manguezal

No fogão a lenha cozinhas
Os filhos, são tua diversão
Os montes são teu remédio
A sombra, tua proteção

Um bom peixe é tua comida
O coentro, teu tempero
Mangue, barreira de vida
Protegê-lo é tua razão

Para apurar a comida
Lenha e mangue teu carvão
Pele curtida de esperança
E de tanto madrugar

Tua mente te dá a força
No lodo vais andar
O fumo é tua paixão
Fumaça pro mosquito espantar

O vento é tua grande canção
O tapao [1] é teu manjar
Pra te dar alimentação
A concha vai te esperar

Esquentas a citronella
Antes do café da manhã
Teu viver é tão simples
Duro sabes trabalhar

O sol é teu fiel horário
As ondas, teu coração
A lua é teu calendário
Teu gás, um saco de carvão

Para chegar ao estuário
O remo é o teu timão
Casca largando fumaça
Os mosquitos é preciso espantar

Do coco tiraste o suco
A tonga [2] é preciso preparar
Minha arvorezinha de mangue
Muitas comida me deste

Mil batalhas já travei
Quando vou à labuta
A vida me presenteou
Meu grande amigo, o mangue.

(1) Prato típico da província de Esmeraldas, preparado com peixe, banana verde e coentro.

(2) Merenda ou prato que se leva quando se trabalha longe de casa, típico de Manabí: arroz, peixe ou carne envolvidos em folhas de uma palmeira pequena chamada bijao. As mulheres costumam preparar a comida de manhã para comer mais tarde, na metade da jornada de trabalho.

Postado em 2ª Série B. em

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *