2ª Série B

Ser mãe, missão divina!

Texto elaborado por Edenisia Fraga e publicado no Blog do Anderson em 08 de maio de 2016.

Mãe, mulher vocacionada a maternidade, corresponde com suma responsabilidade este atributo divino, destacando nas múltiplas tarefas que lhes são confiadas, sem perder o equilíbrio, buscando sempre motivações e competências para honrar com esta missão projetada por Deus que é gerar a primeira vocação: a vida. O amor é o grande pilar desta nobre missão. Eis o segredo de enfrentar qualquer perigo, de ter por excelência o colo acolhedor, refletindo sempre no semblante um brilho divino.

Mãe não é somente aquela que gera em seu divino ventre, mas também é a escolhida por Deus que gera no coração o imenso amor, que debruça sobre o berço do filho que não gerou e dele cuida com docilidade, humanizando e preparando para a vida.

A mãe tem uma tarefa e uma responsabilidade em sua dimensão materna, assumindo a condição de primeira catequista dos filhos e no compromisso da nobre cátedra de educadora. Seja qual for à atribuição, ela é partícipe da história, não sendo acomodada como mero instrumento de alienação, não tornando um monopólio genético, mas, grande construtora de uma sociedade.

Neste segundo domingo do mês de maio, os corações se voltam de uma forma particular a esta mestra da vida! A homenagem é voltada a todas as mães, sejam as que vivem em situação de conforto e as mães que vivem nos desafios com dificuldades. Mas todas estão no pódio da vitória de lutar para a conquista da felicidade de seus filhos, de sua família.

Cientes dos desafios de tantas mães aflitas, sofredoras por seus filhos pervertidos que rejeitam seus conselhos, até mesmo a bênção e o afeto. Mães que sentem no abandono do aconchego, do carinho da família, como também a as mães que são lembradas e reconhecidas como a rainha do lar. Como nos ensina uma canção: mãe, a palavra mais linda que um dia o poeta escreveu, ela é o tesouro que o pobre das mãos do Senhor recebeu.

A essas valorosas mulheres, a nossa homenagem, porque elas são esteio de sua casa. Mães que assumem as atividades do lar, mães que partilham seu tempo em ações sociais, eclesiais, atividades comunitárias… A todas as mães, a nossa singela gratidão!

A nossa prece a Maria, Mãe de Jesus que, pelo Sim assumiu a nobre missão de ser Mãe, por nos trazer ao mundo o salvador. Que ela continue a ser a nossa intercessora junto a seu filho Jesus.

A todas as mães, a bênção pela missão divina!

Fonte: Blog do Anderson.

[Grande Mulher] Os 100 anos de Zélia Gattai

Gattai

Imagem encontrada no site Multicultura.

Zélia Gattai Amado de Faria foi uma escritora, fotografa e memorialista que completaria 100 anos no dia 2 de julho de 2016.

 

Zélia é a caçula de cinco irmãos, filha de imigrantes italianos. Nasceu e morou por toda a infância no distrito de Consolação, na grande São Paulo.

Participou do movimento político-operário anarquista com a sua família. Durante oito anos de sua vida ela foi casada com Aldo Veiga, com quem teve um filho.

 

Jorge e Zélia

Imagem encontrada no site Bahia Prime.

Gattai era uma leitora de Jorge Amado e o conheceu em 1945, quando trabalharam juntos no movimento pela anistia dos presos políticos. Eles se casaram poucos meses depois e passaram a trabalhar juntos.

O casal foi para o Rio de Janeiro, com a eleição de Jorge Amado para a Câmara Federal, quando nasceu a filha deles, porém o Partido Comunista foi declarado ilegal em 1948, o escritor perdeu o mandato e sua família teve que se exilar.

A memorialista, durante o exílio, fez curso de civilização francesa, fonética e língua francesa e começou a fazer fotografias, tornando responsável pelo registro, em imagens, do trabalho do marido.

 

No ano de 1963 a fotografa se mudou para o bairro do Rio Vermelho, em Salvador, onde tinha um laboratório e se dedicava à fotografia, tendo lançado a fotobiografia de Jorge Amado intitulada Reportagem incompleta.

 

Aos 63 anos de idade ela começou a escrever, tendo o livro “Anarquistas, graças a Deus” como a sua estréia.

Ela publicou vários livros e após a morte do seu marido assumiu o seu lugar na Academia Brasileira de Letras, ocupando a cadeira de número 23 e se tornando uma “imortal”.

 

Mãe de dois filhos, a escritora veio a falecer no dia 17 de maio de 2008.

 

Fonte: Wikipédia.

A Importância da Mulher na política

Texto elaborado por Edenisia Fraga e publicado no Blog do Anderson em 02 de junho de 2015.

Segundo o filósofo grego, Aristóteles, a política é a ciência que tem por objetivo a felicidade humana e divide-se em ética (que se preocupa com a felicidade individual do homem na Cidade-Estado ou polis) e na política propriamente dita (que se preocupa com a felicidade coletiva). A política situa-se no âmbito das ciências práticas, ou seja, as ciências que buscam conhecimento como meio para a ação.

Todo ser humano é um ser politico. Somos cidadãos quando criamos nossos filhos com uma concepção de mundo igualitário, justo e democrático, sem alienação ou privilégios. Somos cidadãos quando participamos de qualquer entidade que venha promover e modificar a sociedade, em busca de um novo homem e uma nova mulher.

Diante das complexidades que deparamos em nossa sociedade, é de caráter urgente uma postura de valores que precisam ser implantados para mudarmos este cenário caótico que visualizamos. Não podemos ficar de braços cruzados e lamentar esta realidade. Enquanto cidadã cristã, tenho um compromisso profético que é anunciar os valores religiosos e éticos e, ao mesmo tempo em que anunciamos, intrinsicamente, denunciarmos as injustiças e estigmas nos rostos e nos corações de tantos irmãos.

Nós, mulheres, temos uma tarefa e uma responsabilidade na dimensão materna, na condição de primeira catequista dos nossos filhos e no compromisso da dimensão de educadora. Seja qual for a atribuição somos partícipes da história, não sendo acomodadas como meros instrumentos de alienação. Pensar e agir, agir e pensar e não tornar um monopólio genético dos homens.

A luta pela libertação contra o autoritarismo tem que começar a partir da nossa própria consciência. Enquanto mulher, precisamos ser reconhecidas como pessoa, ser humano, agente político, profissional e protagonista de uma civilização do amor e não da cultura do descartável.

Por isso, em nossa região de Vitória da Conquista, nós, mulheres, neste intuito do reconhecimento das lutas e conquistas, do reconhecimento e da importância do engajamento na politica partidária, o PDT Mulher vem viabilizando por meio de ações sociais, discussões e debates para o nosso fortalecimento, para nossa atuação na sociedade, enquanto representantes legais do nosso município.

Portanto, precisamos ainda romper com o paradigma de que a politica é só para os homens, pelo contrário, precisamos fazer valer as igualdades sociais e políticas.

Fonte: Blog do Anderson.

[Música] Mulher – Elba Ramalho

Pra descrever uma mulher
Não é do jeito que quiser
Primeiro tem que ser sensível
Senão, é impossível
Quem vê por fora, não vai ver
Por dentro o que ela é
É um risco tentar resumir
Mulher…

De um lado é corpo e sedução
Do outro força e coração
É fera e sabe machucar
Mas a primeira a te curar
E sempre faz o que bem quer
Ninguém pode impedir
E assim começa a definir
Mulher…
Mulher…
Entre tudo o que existe é principal
Pra você gerar a vida é natural
Esse é o mundo da mulher…

Mulher…
Que a divina natureza fez surgir
A mais linda obra prima que alguém já viu
Assim nasceu a mulher
Nas mãos de Deus…

Por mais que o homem possa ter
Sem ela não dá pra viver
As vezes pede proteção
Pra ter um pouco de atenção
Se finge ser tão frágil mas,
domina quem quiser
Pois ninguém pode definir
Mulher…
Mulher…
Entre tudo que existe é principal
Pra você gerar a vida é natural
Esse é o mundo da mulher

Mulher…
Que a divina natureza fez surgir
A mais linda obra prima que alguém já viu
Assim nasceu a mulher
Nas mãos de Deus…

Mulher…. mulher …. mulher

Letra da música extraída do site Vagalume.
Vídeo extraído do canal Música é Tudo de Bom, no YouTube.

A Lei Maria da Penha

Após a trajetória da farmacêutica Maria da Penha, contada no post anterior, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei n° 11.349, em 07 de agosto de 2006, batizada de Lei Maria da Penha, em homenagem a farmacêutica.

 

O artigos 1°, 2° e 3° das Disposições Preliminares da Lei definem um pouco sobre ela.

Art. 1° Esta Lei cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Violência contra a Mulher, da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher e de outros tratados internacionais ratificados pela República Federativa do Brasil; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; e estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar.

Art. 2° Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social.

Art. 3° Serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária.

Fonte: Planalto.

Grande Mulher: Maria da Penha

Nascia em 1945 a mulher que se tornaria símbolo da luta contra a violência doméstica, Maria da Penha Maia Fernandes, em Fortaleza, Ceará.

 

Maria da Penha foi casada com o professor colombiano Marco Antônio Heredia Viveiros, com quem teve três filhas. Ela exercia a profissão de farmacêutica e hoje é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres.

A cearense foi vítima emblemática da violência doméstica durante anos. Seu marido tentou assassina-la duas vezes em 1983, a primeira com um tiro, simulando um assalto, o que a deixou paraplégica. Ela se recuperou, mas foi mantida em cárcere privado, onde sofreu outras agressões e foi eletrocutada, em uma nova tentativa de assassinato.

Após procurar a justiça, a farmacêutica saiu de casa com suas filhas. Denunciou Marcos Antônio, que depois de 19 anos de luta foi condenado a oito anos de prisão, mas ficou somente dois anos preso, solto em 2004 por meio de recursos jurídicos e ficando em liberdade ate hoje.

 

Juntamente com dois órgãos, o Centro pela Justiça pelo Direito Internacional (Cejil) e o Comitê Latino-Americano de Defesa dos Direitos da Mulher (Cladem), Maria da Penha formalizou uma denúncia contra o colombiano ao OEA (Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos).

Várias discussões e projetos propostos por ONGs giraram ao redor do tema, até o assunto chegar ao Governo Federal. Após várias discussões, debates e audiências, foi aprovada e em 2006 sancionada, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Lei nº 11.340, conhecida por Lei Maria da Penha, que coíbe a violência doméstica contra mulheres.

 

Fontes: Potal Brasil e Wikipédia.

[Vídeo] Zuzu Angel

O nome de Zuzu Angel foi uma estilista de renome internacional, porém o seu nome também está relacionado com a Ditadura Militar, como foi dito na publicação contando um pouco sobre ela (clique aqui para ver a publicação).

Em 2006 foi lançado o filme contando a história da bravura da estilista diante a morte de seu filho durante a Ditadura Militar, o filme está disponível no YouTube, confira abaixo o trailer do filme.

Vídeo extraído do canal do YouTube: História do Cinema.

Grande Mulher: Zuzu Angel

Zuzu Angel

Imagem extraída do site Aimale.

Nascida na cidade mineira de Curvelo, em 1921, Zuleika Angel Jones, conhecida como Zuzu Angel, foi uma estilista de renome internacional, bastante conhecida na década de 70, quando a moda brasileir
a
seguia a tendência européia.

Zuzu Angel 2

Imagem extraída da Memoria Globo – Linha Direta.

Ela já demonstrava suas habilidades ao fazer roupas para suas primas, quando morava na cidade de Belo Horizonte, mais tarde foi para a Bahia e depois para o Rio de Janeiro, onde se estabeleceu até a sua morte.

 

 

Assumiu a profissão de costureira na década de 50 e mais tarde, em 1970, abriu a sua loja em Ipanema e passou a realizar desfiles no Brasil e exterior, tornando o seu nome conhecido mundialmente.

Foi pioneira ao promover sua marca nas próprias roupas, expondo-a na parte externa das roupas, suas peças também foram marcadas pela simplicidade, feminilidade, uso de cores tropicais, mistura de tecidos e utilização de materiais (como pedras e conchas).

 

Zuzu Angel acidente

Cena do acidente de Zuzu Angel. A foto liga um militar (Freddie Perdigão, coronel do Exercito) à cena do acidente de carro que vitimou a estilista e é uma importante evidência de que a morte de Angel foi planejada pela ditadura. – Fonte do texto e imagem: Folha de São Paulo.

Angel foi uma mulher exemplo de força e coragem. O seu filho, Stuart Angel Jones, foi torturado, morto e teve o cadáver ocultado pelos órgãos de repressão, pois fazia parte de um movimento de resistência armada a ditadura militar (Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8)) e ao ser preso, não forneceu as informações que os torturadores desejavam.

Ela não se calou e denunciou o crime, inclusive no exterior, ao entregar uma carta-denuncia ao Secretario de Estado de Governo dos Estados Unidos, também realizou, como forma de denuncia, um desfile utilizando figuras de meninos presos, crucifixos, tanques, jipes e anjos amordaçados.

 

Ela sofreu ameaças, foi perseguida e intimidada. Com medo das ameaças se cumprirem, ela registrou em cartas que se aparecesse morta, mesmo parecendo ser um acidente, ela teria sido assassinada. Em 14 de abril de 1976, ela sofreu um “acidente” ao sair de um túnel no Rio de Janeiro e faleceu.

Fonte: Info Escola. 

Frase 02