Mito: humanos possuem mais bactérias que células!

Microrganismos estão por toda parte, inclusive dentro dos nossos corpos. Conhecidos como microbiota e representados principalmente por bactérias, estes organismos fazem parte do nosso metabolismo, participando na digestão dos alimentos que consumimos, protegendo-nos contra doenças e até mesmo afetando nossos comportamentos!

microbiota humana é composta por trilhões de células das mais variadas espécies, e até pouco tempo acreditava-se que estas células podiam ser encontradas em uma quantidade muito maior até mesmo que as células humanas. Porém, um artigo de revisão publicado recentemente por pesquisadores de Israel e do Canadá colocou um fim a esta crença, que agora já passa a ser considerada um mito!

Em 1972, o microbiologista Thomas Luckey estimou que as bactérias e outros microrganismos poderiam ser encontrados em nosso corpo em uma razão de 10 para 1. Isso significa que um ser humano que possuísse, por exemplo, 30 trilhões de células humanas, possuiria também aproximadamente 300 trilhões de células de microrganismos!

 

Por muitos anos, estes valores foram conblog 11siderados corretos e utilizados em pesquisas acadêmicas, na publicação de artigos e até mesmo em salas de aula em universidades de todo o mundo. Porém, após uma extensa análise de
artigos anteriormente publicados, os pesquisadores Ron Sender, Ron Milo e Shai Fuchs chegaram a uma estimativa muito menor de células da
microbiota humana. Segundo eles, um homem adulto que possuir aproximadamente 30 trilhões de células humanas, possuirá também cerca de 39 trilhões de
células da microbiota, o que resulta em uma razão de 1.3 para 1.

Os pesquisadores indicam que os valores aceitos anteriormente foram afirmados a partir de estimativas muito vagas, sem grandes valores científicos a serem utilizados como base. Um dos principais erros de estimativa do trabalho de Thomas Luckey em 1972 foi a proporção de bactérias intestinais. Nosso intestino é realmente repleto de bactérias, sendo a grande maioria destas importantes para o funcionamento deste órgão e a correta digestão dos alimentos. Entretanto, a densidade de bactérias intestinais havia sido estimada a partir do conteúdo de bactérias do cólon. Atualmente, sabe-se que o cólon possui uma quantidade muito maior de microrganismos, se comparado ao resto do nosso trato digestivo, o que significa que, em pesquisas anteriores, a quantidade de bactérias intestinais havia sido superestimada.blog 12

Ainda, de acordo com a pesquisa publicada a quantidade de microrganismos em nossa microbiota pode variar dentre as diferentes populações humanas, ou até mesmo de pessoa para pessoa. Algumas pessoas podem, realmente, possuir bactérias em uma proporção muito maior do que células humanas. Porém, os dados analisados indicam que esta proporção dificilmente poderá chegar à enorme razão de 10 bactérias para 1 célula humana, como acreditava-se anteriormente.

É importante ressaltar que, apesar das alarmantes diferenças pontuadas por este novo trabalho publicado, os microrganismos encontrados dentro e fora do nosso corpo continuam a ser extremamente importantes para nossa saúde. Além disso, alguns pesquisadores apontam que a quantidade de células em cada organismo pode variar de uma forma tão extensa que, no final das contas, uma razão entre células humanas e de microrganismos pode nem mesmo existir! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *